sexta-feira, 1 de março de 2013

Ou eu ando a ver filmes a mais ou aquilo não correu como eu tinha imaginado

Depois de mais de hora e meia sentadinha a ver revistas cor-de-rosa, a apreciar o vai-vem dos utentes, a ver e ouvir o programa vespertino da Fátima Lopes na TVI, finalmente fui chamada para o andar onde iria ser realizada a intervenção e lá esperei ainda mais um bocado, antes de me chamarem para o bloco operatório. Devo dizer que nunca andei de cadeira de rodas, sempre pelo meu pé, escada acima, escada abaixo. Nessa outra sala de espera ainda tive tempo de refilar com duas assistentes, o enfermeiro que me assistiu, enviar duas SMSs ao mais-que-tudo e até falar com ele, não vá a coisa correr mal e ele ter como última recordação minha uma SMS que dizia "Apetece-me pedir o livro de reclamações e ir embora sem fazer nada". 
Já no bloco operatório fui assistida por um senhor enfermeiro quase septuagenário (Roque, os teus desejos não se concretizaram), coloquei uma bata amarela, uma touca e deitei-me na maca, com botas e tudo. Sou menina bem mandada! A senhora médica lá chegou, por volta das 19:10 e eu tamborilava com os pés ao som duma melodia de spa irritantemente calma. Se querem acalmar uma paciente, porque raio é que poem a tocar a selecção musical do médico que habitualmente usa aquela sala, como vim a saber mais tarde? Perguntavam-me o que eu desejava ouvir, não era? O senhor septuagenário rapou o local da remoção, previamente assinalado com um marcador bordeaux, e eu a pensar se ele estaria a usar uma daquelas lâminas antigas que os homens usavam para fazer a barba ou uma gillette mesmo. Não tive oportunidade nem de ver nem de lhe perguntar porque entretanto a senhora médica pôs mãos à obra e picou-me! Não posso dizer que a picada de médica seja muito diferente da picada de enfermeiro, pois a sensação é a mesma: pica, mas é perfeitamente suportável.
Estando perfeitamente consciente, lá fui perguntando o que me estavam a fazer e a conversa girou à volta de jantares de curso, início de carreira profissional, família, médicos da cidade...tudo intercalado com o relato do que me estavam a fazer na tola e eu não sentia. Tinha que acreditar na palavra deles, não é?
A coisa lá foi dada por terminada, pouco antes das 8 do jantar e eu estava esgazeadinha de fome. 
Olhei-me ao espelho e não notei nada de diferente em mim, a não ser que não conseguir franzir a testa do lado direito. Apenas mexia o sobrolho esquerdo. Experimentem olhar-se ao espelho e vejam o que vos acontece quando franzem e enrugam a testa. Agora imaginem que dividem a testa em partes iguais e uma parte mexe e a outra não. Cómico, não acham?
Conclusão: deixei parte da minha carne dentro dum frasco, que irá para análise daqui a uns tempos saberei o que é aquilo.
E como é que eu imaginei que iria ser? Pensei que houvesse sangue a jorrar da minha cabeça por todo o lado e que houvesse alguém a segurar-me os braços e que eu teria que fazer imensa força para contrariar e essa pessoa e que eu teria que ser transportada de cadeira de rodas para cima e para baixo e que ficaria careca dum lado da cabeça. Nada disso! Nem se nota nada, a não ser que afaste o cabelo; então sim, nota-se uma zona ligeiramente inchada e suturada, nada bonita de se ver. Eu sei que não é bonita porque o meu filho disse-me.

(Sim, o relato acaba aqui, assim, porque não houve sobremesa.)

18 comentários:

  1. "dividem a testa em partes iguais"? Olha que tu tens jeito para estes relatos. Se fizesses uma intervenção destas por semana eras menina para ir substituir o RAP na Mixórdia :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ness, se eu fizesse uma intervenção destas por semana, deixava de comer sobremesa muitas vezes, bolas!

      Eliminar
  2. Já não precisavas de andar a arranjar desculpas para não fazer exercício físico :P (Oooops, vou sair de fininho antes que me caia em cima)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E por acaso eu arranjo desculpas para não fazer exercício físico? Simplesmente, não faço, ora. Ou melhor, já subo e desco escadas que cheguem durante a semana. Pronto.

      Eliminar
  3. Como é que obrigam os enfermeiros a trabalhar até tão tarde??? Se tivesse no teu lugar, levantava-me e "grandolava" :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Roque, atão os enfermeiros não trabalham por turnos? :P
      Este estava a trabalhar até tão tarde porque quis, pois está reformado da FP, simplesmente não quer parar :)

      Eliminar
  4. Oh. Fiquei triste. Também estava à espera de sangue. Já não há cirurgias como antigamente. :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Snail, houve sangue, não houve é em quantidade digna de ser recordada. Enfim...as compressas se hoje já não se fazem como antigamente.
      Olha lá, os pontos podem partir com tosse e espirros?

      Eliminar
  5. Epá, no couro cabeludo a coisa sangra prá cachorro!!! Era a piorzinha coisa que podia me sair no bloco periférico. Podes crer que havia sangue a jorrar, as compressas é que mamam tudo.
    As melhoras rápidas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catsone, eu vi muitas compressas, de facto a a certa altura os movimentos deles e as ordens dela para ele eram dadas a ritmo acelerado. Mas não vi ponta de sangue a pingar para lado nenhum...fiquei algo desiludida.

      Eliminar
  6. As tuas descrições são o máximo. A boina azul do post anterior é muito gira. Aposto que te fica a matar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tio, obrigada. Ainda estou a pensar se devo usar a desculpa desta operação para comprar uma. A verdade é que não preciso, pois não se nota nada, mas lá que é gira, é :)

      Eliminar
  7. Pra isso até eu tratava da coisa.
    Só tinhas de dizer de que forma querias a anestesia: em branco ou tinto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MG, não me parece que gostasse de sentir as tuas mãos na minha tola, ainda mais sabendo que gostas tanto de um como de outro, em doses igualmente iguais e grandes, passo o pleonasmo :P...Ainda por cima, não posso bebê-lo enquanto andar a antibiótico. É uma seca mesmo!

      Eliminar
  8. E gerais? Morrer, devia ser sempre assim, nem se dava por ela.

    Ainda bem que correu pelo melhor.

    ResponderEliminar
  9. Respostas
    1. Felizmente, não estou familiarizada com essas :)...se já assim, não senti nada a não ser a picada, se tivesse sido uma geral, não tinha conseguido estar atenta à música "spaiana" de fundo ou participar no triálogo que decorria acima de mim :)

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.