quinta-feira, 28 de março de 2013

O que me faz comichão e ter vontade de dar uma estalada em alguém

Ontem apontei o dedo a alguém que se expressa bem, tem sentido de humor, tem espírito crítico, simplesmente porque escreveu - errou propositadamente, como mais tarde esclareceu - um verbo flexionado duma forma que não é a correcta. Senti logo comichão! E cocei! E passou! Mas o erro lá se mantém, que a pessoa é mais teimosa que um asno!
Hoje, ao passar os olhos pelos jornais online, ao ler os comentários que essas notícias suscitam, voltou-me a comichão. E por muito que coce, não passa. E questiono-me, sempre que faço estas leituras, se não haverá ninguém nas redacções dos jornais que passe um lápis azul por esta poluição visual, estes comentários insultuosos, destituídos de conteúdo e que são prova de atentados diários à língua portuguesa.

9 comentários:

  1. Sobre isso de conjugar verbos, dedico o meu post de hoje a ti :)
    A ver se ris com o momento... marcante.

    ResponderEliminar
  2. Pusinko, ai marcou, marcou! Marca e dói!
    Eu duvidei que fosse a Teresa, mas ...tudo é possível.

    ResponderEliminar
  3. Julienha, querida, nomes dos comentadores dos jornais online??? Bolas, rapariga...já me basta ler as bacoradas deles. Não vou decorar os nomes, n'é? :)

    ResponderEliminar
  4. Gente que não sabe escrever também a mim me tira do sério! :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MG, coça; pode ser que te passe :P

      Eliminar
    2. Coça tu, que bem precisas!

      Tu é que disseste que tinhas comichão! :p
      Se já passou definitivamente, retiro o que disse.


      Eliminar
    3. Tu é que disseste que quem não escreve bem te tira do sério; se isso já te passou, olha, ainda bem. Não preciso que me digas o que fazer, mandão :P

      Eliminar
    4. Mau feitio.
      Um tipo esforça-se para contribuir e é isto...

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.