terça-feira, 26 de março de 2013

Já disse que embirro com o facebook, já?

É que, caso se tenham esquecido, eu volto a dizer: eu embirro com o facebook, não acho piada nenhuma às "curtas" que lá se publicam e são replicadas milhões de vezes por esse mundo fora e copiadas para a blogosfera. Separem as águas, porra! E irrito-me quando leio que há pessoas a tomarem o pequeno almoço e a lerem as suas actualizações ao mesmo tempo. E saborear a massa fofa dum croissant acabado de sair do forno ou um pão a cheirar a pão alagado em manteiga? E será que quando dão a queca também vão logo ao facebook anunciar ao mundo, ou estarão à espera de ver o que o face-vizinho faz para fazer o mesmo ou pior? Não há relva para aparar, caminhadas para dar, um sofá para se refastelar, um livro para terminar? Esta ânsia de se estar sempre ligado/a ao mundo online dá-me cabo dos nervos. Até o meu tio J., com 60 anos, me irritou no sábado, quando, durante um almoço de aniversário de alguém que fazia "18" anos, não largava o 12x8x1 (aka telelé, ou coisa que o valha), sempre à espreita sei lá de quê. Um destes dias, alguém vai lembrar-se de inventar um caixão com ligação underground à internet, de modo a que os mortos não percam nada deste mundo. Sim, que no outro ainda não há destas modernices, que se saiba.

16 comentários:

  1. Eu sou viciada. Mas só para cuscar a vida dos outros. E falar mal dos que fazem o q acabaste de dizer. Já que não vejo telenovelas, tenho isso...

    ResponderEliminar
  2. Tu falas mal da malta no facebook? Ok, quando eu morrer, dou-te acesso à minha conta :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Opa... falo. Principalmente dos que encarnam críticos de cinema, musica, gastronomia, moda, meteorologia e etcs... Irritam-me.

      Eliminar
    2. Mas então quais são os teus critérios para falares mal desse gente que gosta de encarnar? Basta discordarem de ti?

      Eliminar
    3. Ah nada disso. Só me irrita terem de escrever uma critica sobre tudo e mais alguma coisa.. e mais tarde, pessoalmente e em conversa, usam expressões como 'eu até já pus isso no facebook'. Não sei, é mais forte que eu, mas dá-me vontade de bater-lhes.

      Eliminar
    4. É, parace que se não for dito, publicado, partilhado, comentado por lá, a coisa já não interessa.

      Eliminar
  3. Tenho conta há mais de 7 anos mas só nos últimos 2,5 ou 3 é que uso regularmente. Partilho parvoices e mantenho contacto com muita malta que nao gira pela blogosfera, ou em portugues. Já pus no blog imagens do fb e vice-versa (piadas, apenas).
    Quando trabalho de noite, nas horas mortas, saltito nos blogs adormecidos às 4 da manha ou no fb que, por atravessar gente em diferentes meridianos, me dá sempre alguém a vaguear por lá com quem nao falava há algum tempo.
    Mas, como todos os fenómenos digitais, tem um início, um crescimento exponencial devido à aceitacao de massas, e um declínio. Se tiveres paciencia, vais ve-lo murchar qualquer dia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pusinkito, esta minha irritação é irracional. Senão vejamos: fui frequentadora de salas de chat durante anos, fiz downloads ilegais disto e daquilo, partilhei ficheiros, tenho os messengers do yahoo e do hotmail que uso raramente, convivo aqui e nas vossas casas, reconheço as vantagens comerciais, familiares e sociais do dito cujo, tenho apetência para querer saber mais sobre o que é novidade...logo, reúno as condições para ser uma viciada, como a Snail; a verdade é que nunca senti o bichinho a invadir.me, como já senti com os blogs, por exemplo.
      Espero que tenhas razão e que murche breve :)

      Eliminar
  4. MG, presumo que o faças porque gostas; no máximo, porque és obrigado. Eu é que tenho que saber das tuas razões, agora?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu bem digo que não sabes ler.

      Eliminar
    2. R., começo a dar-te razão: só com desenhos! Só que eu sou péssima a fazê-los, bolas...

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.