quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Amanhã vou à faca.

A minha cabeça vai ser cortada.
E se sangrar demasiado? E se anestesia demorar a pegar? E se a mão da médica escorregar para onde não devia? E se ela cortar demasiado? E será que a médica vai estar a mascar xiclas? E será que serei transportada de cadeira de rodas? E levantar-me-ei sozinha ou alguém ajudar-me-á? Será que se vai notar a falta de cabelo debaixo do gorro? Só dúvidas que me atormentam.

15 comentários:

  1. Nunca mais como chiclas no trabalho («chiclas» é simplesmente lindo!!!!).
    Boa sorte com isso! Depois conta tudo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Snail, eu por acaso gosto mais da versão "X". E sim, claro que conto, conto contar amanhã à noite depois de jantar :)

      Eliminar
    2. lê-se da mesma maneira... :p

      Eliminar
    3. O que lhes chamas? pastilhas?

      Eliminar
  2. Se não te conseguires levantar sozinha... ao menos que te reservem um enfermeiro que valha a pena :)

    Ficarei à espera da teu regresso e nem sequer vamos entrar nessas coisas de "tudo a correr bem" e cenas, porque é óbvio que te sairás lindamente :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que vai correr bem, só me vão "arrancar" um bocado de carne que nasceu onde não devia; nada de especial. Quem sabe, não vai servir de jantar a algum bicharoco :)
      Naquela clínica, só há assistentes femininas; é uma porra! Mas o pensamento é agradável, sim senhor!

      Eliminar
  3. Como a coisa parece que é simples, pensa assim: antes a cabeça que o pescoço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que é assim que penso! É mais fácil enfeitar a cabeça do que o pescoço, no pós-operatório.

      Eliminar
  4. Que corra tudo pelo melhor, é o que eu desejo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. CD, obrigada. Vai correr, sim :)

      Eliminar
  5. Fingers Crossed Pseudo!

    Beijo e volta rápido para o meio de "nózes"

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.