segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Paz, finalmente - afirmação para mais tarde recordar

Riquinho: "Já tenho tudo o que quero e preciso"

7 comentários:

  1. Já eu tenho quase nada e falta-me quase tudo.
    Pronto, não é tanto assim, mas faz conta.

    ResponderEliminar
  2. Olha, filosoficamente a coisa até tem pano para mangas: a utilização da copulativa "e" permite inferir legitimamente que posso não ter tudo o que quero mas não preciso, nem o que não quero mas até precisava.

    Até acaba por ser verdade, mas que me lembre, desejado E "precisado", tenho tudo, por isso considero-me bem (completamente) servido com a vida.

    ResponderEliminar
  3. Riquinho, a sério que me satisfazes, mas conhecendo-te há anos e sabendo das tuas esquisitices, achei que foi uma afirmação lapidar. Não podia ignorar :)

    Pusinko, eu também estou relativamente feliz com o que tenho. :)

    ResponderEliminar
  4. A única coisa aproveitável nesta troca masturbatória de galhardetes é a palavra "copulativa"...

    ResponderEliminar
  5. Mano, não te sabia tão apreciador de gramática :)

    ResponderEliminar
  6. belo blog
    Beijoca charmosa e passa pelo meu cantinho pois tenho um post bem escaldante

    ResponderEliminar
  7. MisterCharmoso, obrigada pela visita.
    Dizerem-me para passar pelo seu cantinho porque tem lá um post bem escaldante é motivo suficiente para não ir lá. Gosto de ser eu a descobrir sozinha certas coisas. :)

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.