domingo, 29 de julho de 2012

Os parolos foram à capital: dia um

Confirma-se que nenhum de nós, parolos campestres, gostaria de sobreviver em Lisboa e enfrentar diariamente resmas, hordas, magotes de gente mal encarada, que me perdoem os lisboetas que me lêem. Quase uma hora para percorrer meia dúzia de quilómetros entre o Parque das Nações - belo desde 1998, talvez ainda mais agora que tem menos gente - e o hotel testa a paciência de qualquer um. E não, não vimos acidentes ou qualquer outra coisa que o justificasse.
O final de tarde e início de noite foram muito bem passados, bem rodeados por uma multidão de 35 462 indivíduos (sim, fixei o número exacto) e meia dúzia de espanhóis que se dignaram a visitar a Catedral (É LINDA!) e ver perder a sua equipa B num jogo a feijões. Di Maria, Coentrão e Mourinho muito aplaudidos! E sim, vimos o Eusébio a entregar a taça. A única péssima ideia do dia foi a de termos ido jantar ao Colombo, a seguir. Certamente, facilmente se conclui porque foi péssima. Momento stressante da noite, não fossemos perder um ou mesmo os três cachopos que nos azucrinavam a moina.
Noite muito bem dormida! Nem o corropio aéreo constante nos acordou!
Amanhã há mais!

8 comentários:

  1. Acho que te enganaste na letra, a equipa era a C :P

    Mas gostei de ver a cara de tacho do Mourinho, que se não queria perder o jogo devia ter feito por isso.

    ResponderEliminar
  2. Ness, não insultes os bons portugueses que apareceram em campo. :)

    ResponderEliminar
  3. Se fostes à Catedral, então tudo o que passaste valeu a pena. :))

    ResponderEliminar
  4. Não havia transportes daqueles que o povo usa nesse dia, Mana? Rais parta...

    ResponderEliminar
  5. Lisboa, que é uma cidade tão bela, merecia mais sorrisos de suas gentes, é verdade... é por isso que "sou" mais Norte ;)

    ResponderEliminar
  6. Maria, sem qualquer dúvida!! Possivelmente escreverei sobre essas sensações daqui a pouco! :)

    Mano, a que te referes? Depois de deixarmos o carro no hotel, só andámos de metro e a pé. Deveríamos ter andado de autocarro ou eléctrico também?

    Catsone, mais uma vez tens razão. Mas entendo que passar 365/6 dias naquele inferno diário dê poucos motivos para o pessoal sorrir. Eu tive algum medo de andar de metro, confesso.

    ResponderEliminar
  7. Pois... ir jantar ao Colombo em dia de enchente na Luz é mesmo má ideia (má na perspectiva de pessoas, como eu e tu, que não gostam de confusões).

    Definitivamente, Lisboa não é cidade para mim.

    ResponderEliminar
  8. Orquídea, agora imagina se o teu filho decidir estudar lá ou em local semelhante. Ai a vida a andar para trás!

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.