quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Procura-se: Mano desaparecido

(Pois se não tivesse desaparecido, não se procurava, obviamente.)
  • Ser humano supostamente do género masculino, a acreditar em palavras escritas no passado, com maturidade inferior à de um elefante bebé;
  • De idade biológica a roçar os 40 anitos, talvez, mas com aparência de jove inconsciente que só diz asneiras, mas por vezes, acerta na "mouche";
  • Com escritos de natureza discutível, nacionalmente conhecidos, especialmente pelos seus leitores que possuem tanta ou menos sensibilidade do que ele;
  • Habitualmente visto, no passado, a rondar blogues durante a hora de expediente do funcionalismo público. Será que é? Nunca se me constou.
  • Agradecem-se informações do seu paradeiro; serão oferecidas alvíssaras a condizer.

14 comentários:

  1. Se calhar foi uns dias de férias.
    Mas ele volta!

    Bom dia minha linda, já voltou tudo à normalidade?

    ResponderEliminar
  2. Mário, o Mano, porra. Tu és novato, daí não o conheceres. :)

    Orquídea, bom dia. Sim, é possível que sim, mas que anda muy sossegadito pela blogosfera, anda. E eu estranho.
    E sim, tudo normal hoje, até agora. Parecia uma mola, hoje quando se levantou :)

    ResponderEliminar
  3. riquinho, o intermitente15/02/12, 11:29

    Sim, normalmente quem desaparece sou eu :-/

    ResponderEliminar
  4. Pois! E eu fico igualmente preocupada, apesar de não seres Mano, ou não fico?

    ResponderEliminar
  5. Sim, tens muita consideração e apreço pelos teus blogo-convivas.

    ResponderEliminar
  6. Faz parte do meu charme insuportável :-P

    ResponderEliminar
  7. Nah! Eu é que sou masoquista, isso sim :)

    ResponderEliminar
  8. Afinal anda desaparecido...
    E eu que achava que estive chateado comigo :(

    ResponderEliminar
  9. Clara, eu acho que é preguiça mesmo. :)

    ResponderEliminar
  10. Diuska, já somos 2. Deve ter ido comprar cigarros...heh

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.