segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

De como os carapins afectam os meus 39 anos ou de como à 4ª é mesmo de vez!


Estes são os responsáveis por o meu blogue, inadvertidamente, esconder as preciosidades anteriores a eles. Não percebo se eles gostam de competir com o fundo colorido da página ou se pura e simplesmente preferiam estar noutro lado mais adequado que não uma página de bits e bytes, essas coisas chatas totalmente ininteligíveis para mim, mas claramente explicadas pelo meu geek mais próximo, a quem beijoquei ontem pelo esclarecimento prestado. Ele nem precisou de mexer no HTML ou no CSS, esse mundo que me faz sentir morena burra e com o qual brinco que nem um autómato, sem saber muito bem o que estou a fazer, à conta das opções fáceis deste coiso.
E o que é que este mundo de códigos tem a ver com carapins e a minha idade? Nada, aparentemente. Mas se não fosse ele, eu não poderia estar aqui a partilhar o quão eu gosto de usar os ditos cujos carapins que a Avó Fatinha distribui a todos pelo Natal. Não sendo minha avó nem do meu filho, desde que as famílias se imiscuíram, há longos anos, nunca a senhora se esqueceu de nos presentear com peças de malha que, à primeira e segunda vista, nos faziam parecer antiquados e do século passado, mas sempre nos protegeram do frio. Os seus carapins não fogem a esta regra: quentes, coloridos, de cores aberrantes, mescladas, peças extensíveis devido ao tipo de lã usado para os crochetar, já serviram várias gerações e foram passando de pé em pé quando deixaram de servir ao anterior dono. Hoje, uso os amarelos.
Daí o meu espanto quando ontem e hoje, por três vezes que tentei publicá-los, notar que eles trazem mal ao meu tasco. Não sei o que irá acontecer quando carregar ali onde diz "publish post", mas estão para ficar. 
Se alguém quiser reler as velharias, é só carregar onde diz "posts antigos" ou coisa parecida.

13 comentários:

  1. Pois eu digo-te... fiquei de tal modo encantada com esta fotografia e com o seu colorido que fiquei com ela na retina! Que felicidade poder admirá-la de novo e ficar a imaginar-te de carapins amarelos (a minha cor favorita) enfiados nos pés.

    :)

    ResponderEliminar
  2. Não escorregam (além de te fod**** ocasionalmente o blogue)?

    ResponderEliminar
  3. Riquinho, além delas, eu ando em casa com chinelos. Não suporto ter os pés frios, por isso não, não escorregam. :)

    Orquídea, ainda bem que gostaste :)

    ResponderEliminar
  4. Demasiado grossas p meias, demasiado finas para calçado... essas coisas híbridas confundem-me. Por isso ando sempre de pata descalça. Sim, verão, inverno, flutuante, pedra, tijoleira, o que seja. Tenho pés de hobbit :-P

    ResponderEliminar
  5. Eu só as uso em casa, homem! E sempre com um par de meias por dentro. Ontem até tinha 2 :P

    ResponderEliminar
  6. Esqueço-me sempre que vocês que vivem meia dúzia de quilómetros a norte de lisboa têm a mania que vivem no pólo norte... frio e mais n sei o quê... mania das grandezas, é o que vocês têm :-P

    Hasta, vou à deita. Beijoca

    ResponderEliminar
  7. Mania das grandezas seria se eu calçasse acima do 40, ora ora.

    Aquece a cama que já lá vou ter :)

    ResponderEliminar
  8. Pois... está frio sim senhor... as mínimas previstas para esta noite são de zero graus. Em contrapartida amanhã vamos ter cá sol o dia todo e em Lisboa vai chover!! :P

    ResponderEliminar
  9. Para quê? Basta pensares em mim que aqueces tudo o que precisas :-P

    ResponderEliminar
  10. Flor, é bem feito para eles!

    Riquinho, tu hoje estás em alta! É pena não ser bem verdade, mas é um bom pensamento, de facto :P

    ResponderEliminar
  11. Ah que coisa tão boa que eu não dispenso!

    ResponderEliminar
  12. Se pusesses aqui uma foto com montes de chancas os gajos dos reitingues dos blogs tremiam de medo e paravam de te fazer maldades.

    ResponderEliminar
  13. Aquilo é que é um carapim? Eu a pensar em algo prós cabelos... :p

    A sério, quando vi aquela foto senti-me tãããão burrinho...

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.