terça-feira, 1 de novembro de 2011

Beijos e abraços e afectos e afins virtuais - este é para o Confuskos

Correndo o risco de nunca mais ser visitada e totalmente ignorada por alguns, a partir de hoje, aqui vai disto:
Há pessoas que lêem e comentam o que eu escrevo e muito simpaticamente, por vezes com criatividade, deixam beijos e abraços quando se despedem. Gosto de os ler, revelam empatia com aquilo que foi partilhado por mim. Mas eu sou uma agarrada do caraças, pois acho que os beijos e abraços e afins devem ser dados com sinceridade, com força, pessoalmente, com as peles a tocarem-se, nem que seja ao de leve - contudo, detesto aqueles apertos de mão demasiado leves, esses são um frete, não um aperto de mão a sério, com vitalidade e garra.
Dizia eu que, apesar de os acolher bem, não é meu hábito dá-los frequentemente, pois mesmo que o remetente os sinta genuinamente, eu continuo a achá-los artificiais, apesar de demonstrar delicadeza por parte de quem os envia.
Devo concluir, assim, que eu sou uma indelicada assumida e desde já as minhas desculpas a quem me beija e abraça sem receber retribuição.

9 comentários:

  1. Também concordo contigo que beijos devem ser dados na carne e não no ecrã do pc... embora também os envie de vez em quando...

    ResponderEliminar
  2. Weirdo! Esfolas sempre as pessoas que beijas?

    Eu prefiro dar os meus beijos em tecido mais epitelial, como por exemplo a pele!

    ResponderEliminar
  3. Vá lá queriducha, não seja má, e aceite lá os meus bejos e abraços. :))))

    ResponderEliminar
  4. catsone, ás vezes tb envio, mais nos e-mails do que aqui, mas é tão impessoal.

    Ska, it takes one to recognize another :P
    Esfolar? Não sou eu que como carnes esquisitas :P Eu beijo e abraço, skin on skin, pah!

    Maria, aceitar até aceito, mas não retribuo :P

    ResponderEliminar
  5. Hahaha eu costumo deixar beijos nos comentários dos blogs que sinto mais empatia mas entendo perfeitamente o que dizes. Eu detesto dar abraços por exemplo. Aliás gosto de os dar apenas a 2 ou 3 pessoas, caso contrário sou extremamene sovina com oa abraçar. E isso bom acho... Não banalizamos os nossos gestos.

    BEIJINHO :)

    ResponderEliminar
  6. Raquel, és terrível :P
    Gosto da tua foto nova.

    ResponderEliminar
  7. Com quem tenho mais proximidade costumo deixar um beijo, e também gosto que me deixem...penso ser apenas uma demonstração de educação e carinho:)

    ResponderEliminar
  8. AC, não tenho dúvidas que são uma demonstração de educação, carinho, simpatia. Bloggers que não se conhecem pessoalmente não têm muitas mais formas de o demonstrar. Eu sei disto, mas mesmo assim sou um bocado avessa ao seu uso através dum computador. Não os usar não quer dizer que se seja mal-educada ou pouco carinhosa,já que o interesse demonstrado pelas outras pessoas via blogues está muito para lá do uso dos ****s e ()s virtuais. :)

    ResponderEliminar
  9. E ia deixar de te visitar por isso !? Na pior das hipóteses deixava de o fazer por me achares fútil a tal ponto!! ah ah ah!! ;)

    Há mais gente com uma postura como a tua, só não faz tanto alarido disso. Gostei da dedicatória no título do post, mas sabes, o Confuskos que eu conheço, ao ler isto, em tom de suspiro soltou um: "Aaaaii!"
    Depois, ainda baixinho sem alterar o tom da voz concluiu: "Mulheres!"

    Ah ah ah ah!!!

    Acho que isto de deixar beijos e abraços é mais uma forma de comunicação deste novo século. A mais revolucionárias da segunda metade do século passado foi essa quase instituição que se tornou "dar um toque pró telemóvel" sem deixar atender. Essa maneira muda de falar é um fenómeno, que se entranhou e ainda hoje perdura.

    Eu por norma despeço-me sempre como acho que o devo fazer e fico tranquilo comigo mesmo, assim sei que contigo o mesmo acontece e é sempre um prazer ler-te!

    Mil Beijinhos ******* e Mega abraços e essas coisas todas ******

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.