domingo, 30 de outubro de 2011

Irlanda do Norte - Belfast

Neste momento, ainda estou a ler "A Marcha", de Daniel Silva. Parte da acção passa-se na Irlanda do Norte, nas ruas e subúrbios de Belfast, já no século presente. Ruas e subúrbios percorridos a pé por mim, há muitos anos do século passado. Leio aquelas páginas e recordo momentos muito bons, entre uma multidão de estrangeiros cuja "home, sweet home" foi um país estrangeiro durante um ano lectivo. Irrita-me ainda não ter lá regressado. Recordo a tentativa falhada de tentar aprender danças de salão, recordo as festas que dávamos ao fim-de-semana na nossa residência. Recordo um fim-de-semana passado em Cork onde encontrei tunos da Universidade do Minho, recordo outro fim-de-semana passado em Donegall onde foi servida salada russa ao jantar e os outros 11 comiam como se de um banquete se tratasse, recordo o frio, a chuva miudinha chata e a neve a cair intensamente, recordo o boneco de neve que fizemos nessa noite, recordo as horas passadas em conversas com as vizinhas de quarto, uma francesa e outra jordana, recordo o barulho dos helicópteros a sobrevoarem constantemente a cidade, recordo os pubs, as idas ao cinema, à discoteca, a comida horrorosa, a loiça que as outras não passavam por água limpa, mas deixavam a secar, recordo os murais políticos, recordo o Jardim Botânico com os seus enormes espaços verdes e recantos geometricamente tratados, recordo as partidas de squash que me partiram toda, recordo as aulas de stepping e as sessões de natação que me divertiam imenso, recordo as idas à Biblioteca centenária, recordo as aulas de alemão onde eu não percebia nadinha do que se passava e das quais acabei por desistir antes de chegar o natal, recordo a Guiness castanha e espumosa e horrorosa, recordo as passeatas dadas no carro da francesa pelas zonas bombardeadas em décadas anteriores, recordo as idas às compras ao "stewart's" que já não existe...recordo tanta, mas tanta coisa...e hoje deu-me saudades daquele ano.

11 comentários:

  1. Estou a viver perto de Dublin e vou a Belfast sempre que posso. Não fossem as questões politicas e uma ou outra história que me contam, acho que preferia viver lá.

    É tão bom descobrir assim uma história num blogue que já sigo há muito tempo. De repente, senti-me um bocadinho mais acompanhada.

    ResponderEliminar
  2. Eu tenho-as de Colchester e Gloucester, em Inglaterra, num contexto agrícola sem qualquer evidência de violência. E também me irrita não ter voltado.

    Squash e stepping? Tu? Cansada? Cá para mim ficavas muito cansada, sim, mas era só a ver os outros :P

    ResponderEliminar
  3. Clara, acho que os "troubles" assustam mais, e com razão, quem é de lá, do quem lá vai viver temporariemnte, como foi o caso. Os meus pais, em Portugal, sabiam mais depressa de certas notícias do que eu. Mas estamos a falar de uma época que remonta a 93/94.
    E obrigada. :)

    Ness, quem te dera teres-me conhecido quando eu tinha 21/22 anos :P

    ResponderEliminar
  4. Pseudo, conta-me lá, o que fazias naquela altura que já não possas fazer hoje?

    ResponderEliminar
  5. Ness, naquela altura fui estudar um ano fora, coisa que hoje não poderia fazer pois a minha vida rege-se por outras prioridades. Porque é que tu ainda não voltaste a apanhar morangos no mesmo sítio? Bastam-te as castanhas lusas, não é? :)

    ResponderEliminar
  6. Pseudo, contornaste propositadamente a questão. Eu vou à piscina 2 vezes por semana e percorro alguns km de bicicleta ao domingo. Ainda há pouco me perdi e só parei em Santiago de Compostela :P

    ResponderEliminar
  7. E fazes tu muito bem. Nessa altura, não fazias o que fazes hoje, pois não? Eu também não. :)

    Hoje ando muito mais de carro, na altura andava muito mais de avião. Queres mais? :P

    ResponderEliminar
  8. Faz tão bem à alma recordar coisas que vivemos e que marcaram uma época das nossas vidas...adorei este teu relato...conheço bem alguns dos pormenores que relatas da Irlanda:)

    ResponderEliminar
  9. AC, faz muito bem à alma, mas dá uma vontade tremenda de me teletransportar e rever tudo e todos. É que não consigo lembrar-me dum único momento desagradável, que os houve, de certeza, peripécias e afins, mas a minha memória é muito selectiva. :)

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.