quarta-feira, 6 de julho de 2011

Banalidades locais...ou talvez discriminatórias

Estava mesmo agora ali na varanda a questionar-me sobre o seguinte: num raio de 50 metros da minha área residencial há 4 salões de cabeleireiras. As donas são duas portuguesas, uma brasileira e a outra, julgo que brasileira a julgar pelo seu aspecto físico, mas não tenho a certeza absoluta. Eu vou a um que pertence a uma dona portuguesa e é o que existe há, pelo menos 13 anos, que é o tempo que eu aqui vivo. Todos os outros têm 2 ou menos anos de existência. O que pertence à senhora cuja nacionalidade não é certa para mim é para um público específico: travestis e senhoras da noite. Os salões portugueses têm clientela certa e estão abertos no horário normal. O outro que pertence à senhora brasileira parece estar às moscas cada vez que por lá passo. Portanto, o que me pergunto é: qual vai fechar primeiro? É que nestes 13 anos a residir aqui já vi tantas portas a abrir e fechar, de outros negócios, que interrogo-me se esta zona é, efectivamente, boa para negócios ou apenas zona residêncial super-lotada!

4 comentários:

  1. Na zona onde trabalho é um fechar e abrir de portas de tal forma estranho, que me pergunto se não estarão subjacentes negócios de lavagem de dinheiro.

    ResponderEliminar
  2. As lojas em zonas residenciais às vezes têm dessa particularidades. E a invasão de cidadãs de nacionalidade brasileira é geral...

    ResponderEliminar
  3. Num raio de 50 metros da minha porta do prédio há 5 igrejas evangélicas. Ainda nenhuma foi à falência.

    ResponderEliminar
  4. A verdade é que o problema consiste em não haver estudos de mercados.
    Depois abrem e fecham mas antes já estragaram o negócio a quem lá esta á mais tempo

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.