terça-feira, 1 de abril de 2008

Este foi bem "fermentado"

Um destes dias recebi via e-mail a seguinte "frase do dia", que tratei logo de amigavelmente partilhar com a minha lista de contactos: "Homens são como um bom vinho. Todos começam como uvas, e é dever da mulher pisoteá-los e mantê-los no escuro até que amadureçam e se tornem uma boa companhia pro jantar."

Ora, obviamente que esperava reacções, mais da parte deles do que delas, e por isso pedi-lhes autorização para as partilhar convosco, e aqui seguem.

A primeira surgiu dum blogger discreto e recatado que gosta de experimentar as palavras e com estas espicaçar a mente de quem o segue: "Mas SE, um dia, se tornarem uma boa companhia pro jantar, passa a ser dever da mulher mantê-los no escuro, ao abrigo de outros copos sequiosos. Essa é a altura dos homens fazerem a sua vindima e correr para o lagar...". Pois eu cá acho que ele se esqueceu de acrescentar uma consoante ali pelo meio, mas posso estar errada e com certeza ele mo dirá a seu tempo.

A segunda reacção veio doutro blogger de renome que até vende livros à custa dum canino rafeiro e que gosta de provocar, mas nem por isso receia perder um lugar no céu: "As mulheres devem ser mantidas como uma boa garrafa de porto: deitadas e arrolhadas". Pois eu cá acho que até as melhores rolhas se deterioram com o tempo, e nem sou grande apreciadora de vinho do Porto.

A resposta seguinte já revelou algum desdém pela piadinha feminista inicial e é oriunda dum gajo que só vê música à frente, e que me deixa algumas saudades das eternas quezílias com conhecidos-desconhecidos : Isso não tem lá muita piada. You know better...Pois eu cá continuo a achar que "concerteza" não existe :P

A última reacção foi-me dada a conhecer através dum texto publicado no "melhor blog português" , escrito entre aspas, porque não é designação com a qual concorde, é de outros, e do qual sou visitante diária - é diferente de ser leitora diária. Supus que a nota final me era dirigida (se eu não for a tal, desculpa a presunção) e como tal, só pergunto ao seu autor se não se importaria de partilhar com os seus inúmeros leitores uma fotografia desse momento tão caseiro e íntimo dum macho português, ele próprio, em trajes de culinária.

Mas agora perguntam - ou se calhar estão a borrifar-se - vossas excelências o que eu acho desta guerra dos sexos. Nada mais simples de responder: quando guerreamos com humor, subtileza e elegância verbal, nunca esquecendo as diferentes características inatas, físicas, culturais e sociais de ambos os sexos, estas picardias sexuais são saudáveis, fazem um bem tremendo à pele e aos neurónios.
Admito que não seja para todas as pessoas.

4 comentários:

  1. Já reli umas quantas vezes. A consoante que me parece em falta é, em princípio, a mesma que falta no texto original. Se é essa, foi propositado. Se viste algum trocadilho, usando uma única consoante, que me tenha passado ao lado, então dá-me uma dica, que posso estar distraído.

    Porque tens toda a razão: não é para toda a gente. Por mais pedante que seja dizê-lo!

    ResponderEliminar
  2. IG: bem... depois de ler tudo isto... lembrei-me do seguinte: "comer é uma necessidade do estômago; beber é uma necessidade da alma" (Victor Hugo)
    a minha alma merece o melhor dos vinhos.... aqueles bem pisadinhos....que me aquecem o coração (e não só...)
    e agora, enquanto estou a escrever isto, lembrei-me duma saída SUBLIME do Woody Alan "o cérebro é o meu segundo órgão favorito"...
    tenho dito... tenho comentado!
    kiss+hug
    PS: tens que escrever mais vezes.... eu até "curto" o teu blog..

    ResponderEliminar
  3. E para concluir o post, eu rematava com a frase síntese: «haja fair-play porque esta é a única guerra em que se dorme com o inimigo».

    ResponderEliminar
  4. Eu só acho que tu és capaz de dizer coisas com muito mais piada do que estas frases pré-fabricadas e super elaboradas, sejam feministas ou não. Só isso, "dahlin' " :)
    Bj

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.