sexta-feira, 17 de novembro de 2006

Sumário: Leitura e análise de um poema e respectiva ilustração sobre o Inverno


(Aviso já que andava mortinha por mostrar isto e finalmente o dia chegou! Dêem-me o devido desconto)




Title: Winter Poem
Author: Unknown

Illustration: Unknown artist

SHIT! IT'S COLD!
Análise literária: O autor começa o seu poema por expressar os seus sentimentos de desabafo quanto ao estado meteorológico do dia em questão. Sabemos, pelo título, que é um dia de Inverno, e como tal, ele verbaliza os seus tremeliques corporais com um vocábulo polivalente e bastante emotivo. O texto é bastante subjectivo e dá azo a interpretações várias. E podemos mesmo especular acerca do sítio onde esta afirmação brilhante foi proferida: terá sido fora duma cabana num bosque longínquo? terá sido num país nórdico onde a neve cai constantemente? terá sido dentro duma banheira com água gelada?
Como diria o meu amigo Daniel, e passo a citar:" é um poema mais visceral que intelectual. Baseia-se no confronto de sensações, não na explanação do que quer que seja." E continua da seguinte maneira: "ao mesmo tempo que toda a impossibilidade de uma merda fria nos remete para um surrealismo alegórico já explicado por Wittgenstein, temos também a interjeição para o explanar de uma sensação que nos prende a atenção e nos soqueia o estômago." De génio, não concordam?

Relativamente à ilustração, as cores revelam profusamente a imagem sinestética transmitida conjuntamente pela brancura da neve e o sombreado castanho de matéria oriunda, provavelmente, de tripas de animais selvagens, talvez um veado ou até mesmo uma raposa.

...

Ora, como este belo texto dá pano para mangas, fico à espera das vossas sugestões analíticas. E despachem-se que a partir de logo à noite posso não voltar tão cedo!


14 comentários:

  1. "ao mesmo tempo que toda a impossibilidade de uma merda fria nos remete para um surrealismo alegórico já explicado por Wittgenstein, temos também a interjeição para o explanar de uma sensação que nos prende a atenção e nos soqueia o estômago."

    Fantástico! Fabuloso!
    (não percebi um caralho, mas tem toda a razão):D))))))

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que se trata da resposta de um auto-diálogo de alguém q impõe a si próprio a disciplina de s questionar e de sentir tudo o que o rodeia, e que, de repente, ao ter pisado algo parou, olhou, tocou e libertou ao mundo aquilo que a visão e o tacto lhe transmitiam:

    shit! it´s cold!

    em relação à figura, dá-m a sensação de estarmos na presença de uma casa à entrada de um cerrado bosque de folhosas, mas inda não tenho a completa certeza de ser uma casa...

    (espero ter ajudado tanto como m ajudaste a mim)

    (agora q isto se estava a cimentar vais embora, se for por minha causa, fica, q Eu prometo não voltar a importunar)

    ResponderEliminar
  3. Eu percebo agora, só agora, q a ausência se ficará a dever a um prémio q - já se sabe - será mEu, sendo assim, segunda-feira cá estarás...

    ResponderEliminar
  4. Pá, a foto da minha tasca tem a solução para a coisa.

    ResponderEliminar
  5. Sugestões? Depois de uma das críticas literárias mais brilhantes da História ainda queres sugestões?

    ResponderEliminar
  6. o poema resume-se a um verso? epah... isso é muito longo... não caberia aqui toda a minha explanação. quanto ao seres bilionária... não te esqueças das doações ó materialista ;)
    bom fds

    ResponderEliminar
  7. Obrigado pelo comentário. ;)

    Não sei porquê mas dão logo outro valor ao que é escrito.

    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  8. Quanto ao poema, creio que existe uma falha na compreensão do texto:
    Shit! It's Cold!

    Decerto que ninguém se submeteu a uma análise exaustiva das palavras senão teria chegado à simples conclusão que tem três personagens. Shit, Cold e o próprio narrador.

    A acção desenrola-se num bar de Nova Orleães e traduz a chegada do amigo Cold ao estabelecimento onde se encontram os restantes persongens, o narrador e Shit.

    Analisando o carácter do personagem principal, aquele que se encontra camuflado pelas próprias palavras, razão pela qual não conseguimos deslindar o seu nome, utiliza um vocabolário deveras simples, sem espaço para grandes eufemismos e até mesmo metáforas, o que banaliza por completo a acção principal e faz com que Shit seja remetido a "merda" na própria acção e Cold a um personagem frio que acabou de entrar no Estabelecimento...

    ResponderEliminar
  9. he he he he
    Talvez o poema seja da autoria do Dr. António Fonseca Galhão!!!
    LOLOLOLOLOLOLOLOL

    ResponderEliminar
  10. a crítica está fraquita para o poema que é... é um poema fabuloso!...

    ResponderEliminar
  11. trata-se na realidade de um excerto da universalmente conhecida ode SHIT! IT'S TO FUCKING COLD que como se atesta desde logo peca pelo seu exagerado tamanho ... Enorme ... chega a cansar mesmo ... mas que tal como atras na critica no post se diz ... è mesmo um puro desabafo ... Qaunto á crica em si ... poder-se-á dizer que porquento proficua na essência do textoa de ser contudo bastante limitativa quanto á sintaxe e ao estilo utilizados nesta que é sem duvida uma das preciosidades do novo seculo XXI no que concerna á poesia ... esperemo que a autora continue a sua análise em posts ulteriores de modo a garantir toda a abrangência do poema e porque não do autor que se expõe assim nú á nossa livre interpretação.

    ResponderEliminar
  12. xiii ... é a ultima vez que escrevo com os copos ...

    ResponderEliminar
  13. Já podes sair. Eu prometo que não te falo no EUROMILHÕES...:D)))))

    ResponderEliminar
  14. Deveras hilariante. Faz lembrar aquele velho scketch do gato fedorento sobre a literatura de casa de banho!!! Realmente há criticos para tudo!

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.