terça-feira, 13 de junho de 2006

Só chatices.

Experiência de turma: observar o desenvolvimento dum bicho-da-seda e sua transformação em borboleta.




Acto imperdoável: cortar a cabeça da borboleta.



Castigos: sermão e missa cantada, horas a fio sem um sorriso, algumas vontades negadas, pedido público de desculpas, possível substituição do casulo.




Servir-lhe-à de emenda? A ver vamos. Para já, nota-se que tem perfeita consciência de que agiu mal e sabe porque é que a mãe está extremamente zangada com ele.

9 comentários:

  1. Eh eh eh.
    Temos um Sónico, pá.
    A coisa hoje em dia passa-se a outra velocidade.

    ResponderEliminar
  2. hihihi...
    Não sei de quem estou com mais pena: se da borboleta se do teu pequenito.
    Não estaria ele próprio a fazer a sua própria experiência? Pode estar a treinar para biólogo e queria ver como é o corpo do bicho... compreendeu, por exemplo, que é frágil.

    Beijos para a mãe :)

    ResponderEliminar
  3. Mal empregada. Falta-me uma dessas na minha colecção.

    Por acaso tens espécies mais engraçadas e coloridas de ver surgir e voar pela casa do k os de seda, k nem seker voam.

    ResponderEliminar
  4. Olá...gostei muito deste blog. beijocas

    ResponderEliminar
  5. leio o pseudo há pouco tempo. és professora?

    ResponderEliminar
  6. ri-me de caralho com esta aula!!! lololololol

    ResponderEliminar
  7. - porque mataste a formiga?
    - porque é parva.
    - então faz uma melhor... - disse o meu avô ao seu filho.

    hoje a criança já tem 70 anos; não voltou a matar um animal, por mais pequeno que ele fosse... são todos especiais.

    ResponderEliminar
  8. Se não existe respeito pelos humanos, como podemos esperar respeito pelos animais? Existem muitos adultos que fazem coisas bem piores com os pobres animais.

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.