quarta-feira, 1 de março de 2006

Descoberta insólita

Foi encontrado um pito morto na capoeira da minha sogra, entretanto transferido para um forno bem aquecido. Terá sido gripe?
Estou fartinha de ouvir falar da p#"& da gripe aviária e ela ainda nem sequer cá chegou! Alguém que os cale, se faz favor!

7 comentários:

  1. Lindo mundo este, em que quando morre um gato na Alemanha ou um ganso na Suiça têm honras de abertura nos telejornais.

    PS- Podes apagar as Memories e fechar a Porta ;-)

    ResponderEliminar
  2. Ó pá... até que é ridícula a notícia "morreu um pato na Russia", mas que se lixem os patos, a verdade é que essa merda é mais perigosa do que esse folclore que andam a fazer e mais perigosa se torna sabendo que não temos um SNS à altura...

    ResponderEliminar
  3. este blogue está morto. está visto. bom dia enquanto podes. e a gripe, porra?...

    ResponderEliminar
  4. Eu também declaro guerra aos media! Tou farto dos gajos!!! Irra!!!!

    Cumprimentos mixed by Jameson 12 anos!

    ResponderEliminar
  5. ... é pá! nem entres em paranóia que é isso que "eles" querem... Eles querem que o pessoal compre espingardas de ar comprimido, espingardas de repetição, pistolas automáticas, metralhadoras dinamarquesas, carros de assalto suiços, bombas atómicas digitais e outras armas mais, para fazermos tiro às aves. E depois de limparmos as aves todinhassss do país e como não temos mais aves que limpar, limpamo-nos a nós próprios, percebes?! é esse o grande esquema "deles".
    Ássim sendo, quando vires uma ave (aparentemente em más condições psicológicas), não a mates. Mete o CD "Ser Benfiquista" que vais a ver; não há ave que aguente muito tempo neste rectângulo. Nem as águias mais conhecedoras da "pandemia"...

    ResponderEliminar
  6. Ó minha amiga, então não sabes que a gripe das aves é para afastarem a situação em que se encontra o nosso país. Está tudo depenado...
    ;O

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.