terça-feira, 17 de janeiro de 2006

A dor de perder alguém

Infelizmente, já todos nós passámos por tal...ou passaremos. É inevitável. E o que temos a fazer é aprender a lidar com o que de mais certo temos desde o primeiro minuto que vemos a luz do dia. Uns fa-lo-ão melhor, outros de modo mais discreto, outros ainda extravasam a sua dor e tristeza através da escrita ou chamando frequentemente quem já nos deixou ou de qualquer outra forma mais pessoal. Não me aconteceu nada do que aqui descrevo nos últimos tempos nem quero alarmar ninguém; a verdade é que a morte espreita-nos a qualquer momento e pode chegar naturalmente ou acidentalmente. Deixa sempre muitas saudades de quem já não está connosco...

Não é minha intenção ferir susceptibilidades ou fazer-vos recordar de situações menos prazenteiras, mas aviso que o que verão de seguida é extremamente chocante.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

5 comentários:

  1. Diria que se foi com a gripe asiática.. está tão amarelo..:)

    ResponderEliminar
  2. Palerma do pinto, que não vê que o amigo está morto...

    ResponderEliminar
  3. Chamar Zé ao pinto defunto parece-me de extremo mau gosto...

    ResponderEliminar
  4. gostei muito do texto ue escreveste fes-me lembrar muita coisa mas esta muito lindo. parabens

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.